Questões de Concurso

Com a mudança de foco do site, foi alterador o serviço de hospedagem. Na migração dos posts de questão, pode ter acontecido algum problema, o principal que identifiquei foi a ordem das questões, que não estão mais seguindo a ordem das provas.

Tentarei aos poucos ir ajeitando isso. Mas todas as questões estão disponíveis, nenhuma foi deletada.

40. (CESGRANRIO – PETROBRAS– ADMINISTRADOR/2010)

Estruturas podem ser analisadas por meio das configurações que assumem, dadas as estratégias e os diferentes atributos da organização. Associe as estruturas apresentadas na coluna da esquerda, à respectiva característica na coluna da direita.


COMENTÁRIO

Segundo Mintzberg, temos algumas configurações possíveis para uma organização, as mais conhecidas e cobradas são as 3 acima, mas vamos dar uma olhadinha em todas:

A organização Empreendedora: Uma estrutura de configuração simples, não muito mais que uma unidade consistindo de um ou alguns poucos gerentes de primeira linha, um dos quais dominado pela pressão para liderar e um grupo de operadores que faz o trabalho básico. Só uma pequena parte da empresa é formalizada, normalmente se faz o mínimo uso planejamento ou treinamento. É uma organização flexível, se livra da burocracia por ser, normalmente, uma empresa pequena e que não pode ficar presa para o crescimento. A estrutura é basicamente assim:


A organização Máquina: Esse é o nome que Mintzberg dá para a Estrutura Burocrática citada acima na questão. As características são aquelas bem clássicas, conhecidas por nós, centralizadora, vertical, muito formal e estáticas, quase nada flexíveis. Para funcionar, o ambiente o o trabalho são simples e mecânicos, ajustadas naturalmente à produção em massa, pela sua padronização.


– A organização Profissional: Essa é uma variação da organização burocrática, por isso também chamada de Burocracia Profissional. Mas ao invés de se basear nas padronização das tarefas, a padronização é focada nas atividades, nas habilidades. Há uma grande pressão para profissionalização das pessoas e uma importância muito grande dos assessores, dos staffs da parte operacional. É o caso de universidades, onde os professores, por serem altamente especializados, tem uma liberdade muito grande tirando a necessidade de uma linha imediata.


A organizdação Diversificada: Não é muito integrada, funciona como um conjunto de entidades independentes reunidas por uma estrutura administrativa frouxa. A base é formada por divisões, cada uma com sua própria estrutura e essa configuração normalmente é dada em empresas com uma diversificação grande na linha de produção. Essa configuração faz com que a empresa tenda a substituir as unidades funcionais por unidades baseadas em mercado.


A organização Adhocrática: Chamada pelo Minstzberg de Organização Inovadora. A ahocracia é um tipo de contrário da burocracia, nela os especialistas se ajustam mutuamente se a necessidade de regras rígidas ou centralização de decisões. Normalmente é dividida em equipes multifuncionais e muito utilizada em ambientes dinâmicos, que precisam de inovação e adaptação rápida.


Em seu livro, Mintzberg ainda fala sobre as organizações missionárias (dominada por uma ideologia, divisão frouxa de tarefas e o que mantém todos juntos são as crenças) e políticas (quando uma organização não tem uma parte dominante e nenhuma forma estável de centralização), mas esses dois são bem mais difícil de cair em provas.

Vamos à questão:

P – Mais comum em indústrias que precisam inovar de maneira complexa e desenvolvem projetos que contam com equipes de diferentes especialidades e com menor distinção linha-assessoria. Indústrias que precisam de inovação usam a configuração de organização chamada pelo Mintzberg de inovadora, que é a adhocrática. Então III – P, só por essa já matava a questão.

Q – Mais comum em organizações que operam como máquinas, altamente programadas, com cargos cada vez mais especializados e trabalho altamente padronizado por uma equipe tecnocrática. Organizações com alta padronização, tecnocratas, trabalho especializado, ou seja, divisão extrema do trabalho, estamos falando da mais clássicas das configurações, a burocrática, a organização máquina. I – Q.

R – Mais comum em corporações conglomeradas, é formada por um conjunto relativamente independente, unido por uma estrutura administrativa frouxa. Esse foi quase um “copia e cola” do livro do Mintzberg quando fala da organização diversificada. II – R.

S – Mais comum em empresas híbridas que assumem uma única configuração fixa dado o grau de complexidade do ambiente externo. Uma única configuração fixa não combina muito com a adhocrática, mas se já não tivesse matado a questão, relacionaria com ela mesmo, devido a nenhuma outra estrutura ser tão flexível e adaptável à complexidade do ambiente externo. Infelizmente vamos, por enquanto, ficar sem a visão da CESGRANRIO.

RESPOSTA LETRA B

Posts recentes

Ver tudo