Buscar
  • Bruno Cavalcante

30. (CESGRANRIO – TRANSPETRO – ADMINISTRADOR/2011)

Após uma série de estudos efetuados sobre o comportamento dos custos fixos e variáveis de uma empresa de móveis, chegou-se à conclusão de que a equação que melhor representava as relações de custo-volume-lucro de sua linha de produção de cadeiras era a seguinte: L = 4q – 6.000, onde L é o lucro contábil, e q é a quantidade total de móveis vendida/produzida. Sendo assim, o coeficiente 4 nessa equação representa

(A) a margem de contribuição por unidade (B) o preço unitário (C) o ponto de equilíbrio (D) os custos fixos por unidade (E) os custos variáveis estimados


COMENTÁRIO

A análise de custo-volume-lucro é também chamada de análise de ponto de equilíbrio (break-even-point) e é fundamental para conhecermos o ponto onde a empresa pára de dar prejuízos e começa a dar lucros.

Aqui, algumas definições como margem de contribuição, custos fixos e custos variáveis tem que ser lembrado.

A margem de contribuição é a diferença entre as receitas operacionais de vendas e os custos (e despesas) variáveis in incorridos no período. Trocando em miúdos, é o preço de venda menos os custos e despesas variáveis. Vale lembrar que se a questão der só os custos, considere somente ele, mas se der os dois, considere os dois. Já caiu muita pegadinha assim.

Dos custos eu falei questão passada.

Vamos pensar na questão. Como (genericamente, sem entrar em DRE) calculamos os lucros? Lucro = Receita – Despesa.

Pois bem, pegando daí, a receita é preço de venda multiplicado pela quantidade. E as despesas, são despesas fixas + despesas variáveis. Ficamos: L = (PV.q) – (Cv + Cf)

Daqui, ainda temos que lembrar que os custos variáveis são os custos variáveis unitários multiplicados pela quantidade, temos assim:

L = (PV.q) – (q.Cvu + Cf) -> L = q.PV – q.Cvu – Cf -> Para facilitar, vou passar  colocar o q em evidência.

L = (PV – Cvu).q – CF -> A parte em negrito é a Margem de Contribuição. L = MC.q – CF. Analisando na fórmula, temos que o 4 corresponde a margem de contribuição unitária .

– RACIOCINANDO DIFERENTE.

Se parássemos para pensar na fórmula, muita gente marcou o preço de venda de cara, achando que o 6.000 englobaria todos os custos. Mas para englobar os custos variáveis, o único jeito de colocar é multiplicando por q, ou seja, não tenho como colocar os custos variáveis como algo fixo, como estava na fórmula, pois ele irá variar sempre em função de q. Então o único jeito dessa expressão representar o Lucro era fazendo com que tudo que varie em função de q esteja na primeira parte, assim o 4 teria que representar a diferença entre o preço e o custo variável, os dois elementos do lucro que variam com a quantidade. Essa diferença é a margem de contribuição.

Sabendo os conceitos direitinho e com calma (o mais difícil na hora da prova) você mataria essa questão.

RESPOSTA LETRA A


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O desenvolvimento de carreiras de funcionários deixou de ser exclusiva responsabilidade das empresas, já que os próprios trabalhadores assumem parte desta responsabilidade. A essência de um programa d

A teoria dos dois fatores de Herzberg apresenta duas abordagens para a motivação: a dos fatores motivacionais, que se baseia em necessidades subjetivas de caráter intrínseco, e a dos fatores higiênico

A disciplina progressiva é a forma mais utilizada de procedimento disciplinar, aplicado pelo gerente, que dá ao colaborador a oportunidade para corrigir seu comportamento. As infrações podem ser catal