Questões de Concurso

Com a mudança de foco do site, foi alterador o serviço de hospedagem. Na migração dos posts de questão, pode ter acontecido algum problema, o principal que identifiquei foi a ordem das questões, que não estão mais seguindo a ordem das provas.

Tentarei aos poucos ir ajeitando isso. Mas todas as questões estão disponíveis, nenhuma foi deletada.

20. (CESGRANRIO – PETROBRAS– ADMINISTRADOR/2010)

No que se refere às Fontes de Financiamento a Longo Prazo da empresa, considere as circunstâncias a seguir.

I – Em condições normais de mercado, o custo da dívida é menor que o custo do capital próprio, para uma empresa solvente. II – Se a RPGA Industrial S.A. vai abrir uma nova unidade fabril em Rio Amarelo e pode financiar o projeto apenas com lucros retidos ou pode fazê-lo com 50% de dívida e 50% de lucros retidos, então em condições normais de mercado, o lucro líquido, após os impostos gerados pelo empreendimento, será menor se forem usados apenas lucros retidos. III – Se a firma A paga imposto de renda na alíquota de 35%, e a firma B paga na alíquota de 20%, então a firma B tem mais incentivos para uma alta alavancagem financeira que a firma A, ao se considerar apenas esse aspecto. IV – Na controvérsia sobre a política ótima de dividendos, a corrente que segue as ideias propostas por Modigliani e Miller diz que a política de dividendos é irrelevante.

São corretas APENAS as circunstâncias

(A) I e III. (B) I e IV. (C) II e III. (D) II e IV. (E) I, III e IV.

COMENTÁRIO

Essa questão também já estava lá no fórum do Administração Comentada.

Vamos item a item, vou detalhar melhor aqui cada um deles, para não restar dúvidas.

I – Em condições normais de mercado, o custo da dívida é menor que o custo do capital próprio, para uma empresa solvente. Com uma empresa solvente ele quer dizer simplesmente que essa empresa tem capacidade de pagar suas dívidas, ou seja, será fácil para ela pegar uma empréstimo e ela não atrasará os pagamentos. O custo de financiamento por terceiros é quase sempre menor do que o financiamento próprio, ainda mais quando falamos no longo prazo (horizonte de, no mínimo, um ano). Você pensar em manter recursos seus parados, sejam lucro ou capital dos sócios, para financiar algo tão longo é muito caro. É muito dinheiro parado para nenhum retorno rápido, ou seja, você estará perdendo de fato dinheiro. Então essa afirmação está correta.

II – Se a RPGA Industrial S.A. vai abrir uma nova unidade fabril em Rio Amarelo e pode financiar o projeto apenas com lucros retidos ou pode fazê-lo com 50% de dívida e 50% de lucros retidos, então em condições normais de mercado, o lucro líquido, após os impostos gerados pelo empreendimento, será menor se forem usados apenas lucros retidos. O final de uma DRE nos mostra o seguinte:

(=)Lucro antes do juros e imposto de renda. (-) Juros (=)Lucro antes do imposto de renda. (-) IR (=) Lucro Líquido

Ou seja, quem tem dívida tem juros a pagar e esses juros diminuem o lucro líquido. Então, usar somente os lucros retidos aumentará o lucro líquido e não diminuirá. Afirmativa errada.

III – Se a firma A paga imposto de renda na alíquota de 35%, e a firma B paga na alíquota de 20%, então a firma B tem mais incentivos para uma alta alavancagem financeira que a firma A, ao se considerar apenas esse aspecto. Vamos olhar para a mesma estrutura de DRE que coloquei acima:

(=)Lucro antes do juros e imposto de renda. (-) Juros (=)Lucro antes do imposto de renda. (-) IR (=) Lucro Líquido

As fórmulas de alavancagem levam em conta o LL, vamos analisar pela seguinte fórmula: LAJIR/LL (se usa LAIR quando a questão descarta a incidência de impostos). Quanto maior a minha alíquota do IR, menor será o meu LL, se eu diminuo o denominador da fração eu aumento o número, no caso, aumento o meu grau de alavancagem financeira. Ou seja, quem tem maior alíquota tem menor LL e maior alavancagem. Quem tem a maior alíquota, no caso, é a empresa A então ela teria maior alavancagem financeira.

IV – Na controvérsia sobre a política ótima de dividendos, a corrente que segue as ideias propostas por Modigliani e Miller diz que a política de dividendos é irrelevante. Essa é justamente a Proposta de M&M. A proposição I sem impostos diz que o WACC (custo médio ponderado de capital) determinada pelo capital próprio e capital de terceiros, se mantém inalterado qualquer que seja a alavancagem financeira. Ou seja, qualquer que seja a dívida o WACC permanece inalterado. Ou seja, a política de dividendos é indiferente. Alternativa correta.

RESPOSTA LETRA B

Posts recentes

Ver tudo